Starlite, Quando A Música Não Desafina Como Negócio

Starlite, Quando A Música Não Desafina Como Negócio 1

É um refrão constatemente repetido que a cultura em geral, e da música em especial, não são a todo o momento um prazeroso negócio. Atenazada por placebo de as subvenções e os shows gratuitos, setor de promoção de shows cresceu durante anos com pés de barro, alimentando-os com o pão que antecede a fome de manhã.

Contudo a proliferação de festivais de muito desigual corte e ambições confirmam que a velha canção mudou de ritmo. Propostas como Starlite Marbella mostram que compor uma aventura empreendedora em volta da música podes ser um negócio tão dura como a de ponta cabeça. O convencional evento gera mais de 800 empregos anuais durante tua promoção, de acordo com um estudo da Price Waterhouse Coopers, representa um embate econômico de 80 milhões pra esta zona de laCosta do Sol. Curiosamente, o embrião de Starlite foi o ponto de maturidade de cada outra corporação: o projeto social.

A origem do festival foram outras galas de caridade realizadas desde 2010, em que Sandra García Sanjuán, um experiente profissional da representação internacional de artistas, envolveu-se junto a Antonio Banderas. “A partir do segundo ano agora nos colocamos fazer algo cerca de gala para que fosse sustentável.

  • eu Irei Morrer de Amor
  • 1 Forma atual
  • 33% das corporações morrem durante seu primeiro ano
  • Via do Cruzeiro Baleares (Carmena lhe mudou o nome)
  • O avanço da Internet
  • 12:08 h. O interrogatório começou às 12:Quinze horas

Era dezembro, e pensamos em organizar duas ou três shows pro verão seguinte. Mandei 13 cartas a amigos a imaginar que só responderiam alguns por causa de agora teriam as datas. No entanto todos disseram que contáramos com eles. Foi uma loucura, de repente, tínhamos que desenvolver treze concertos de primeiras figuras a seis meses de visibilidade, sem tempo pra que o público madurara a oferta”, explica Garcia Sanjuan, presidente-executiva Starlite.

“A gente achava que era um embuste, em razão de o concerto foi cumprido numa antiuga pedreira convertida em aterro. Tivemos que pegar 200 caminhões de lixo. “, lembra a presidente do Starlite. Contudo se algo não lhe tem faltado nunca o projeto é ambição.

“A chave do nosso sucesso tem estado a apostar robusto e a cavalo vencedor, em não dar opção ao fracasso e não duvidar. Se você tem terror e busca cobrir as costas, ao encerramento, as decisões tomadas por este susto, não por sua aposta”, defende Garcia Sanjuan.